A história dos jogos de mundo aberto

gta v

Um dos gêneros mais populares da atualidade, o sandbox oferece, entre outras características, a liberdade de movimentação em um mapa determinado, progressão não necessariamente linear na narrativa, a ilusão de um mundo vivo, do qual o jogador faz parte, e muito conteúdo a ser explorado.

A liberdade inédita que esse estilo concedeu nos últimos anos com universos cada vez mais complexos e intrincados tem feito com que seus elementos sejam adotados até mesmo em outros gêneros. Em vista da importância que o sandbox tem atualmente, que tal passear pela história e descobrir qual foi o primeiro game assim?

Um gênero nebuloso

É difícil de definir o que é o tal do sandbox. Para que um game se enquadre nesse estilo, o básico que ele deve oferecer é uma experiência de mundo aberto, com barreiras e limites invisíveis ou pelo menos que deem a sensação de não existir. Normalmente, jogos assim trazem múltiplas formas de concluir um objetivo, mas isso não é necessariamente uma regra, pois há títulos que premiam o jogador que atinge uma meta de determinada maneira.

Outro fator importante é que o sandbox deixou de ser um gênero em si para tornar-se um elemento emprestado de outros estilos. Hoje em dia há jogos de corrida, tiro em primeira pessoa, ação, aventura, RPG, entre outros que se utilizam dos elementos de mundo aberto para servir às mecânicas pré-concebidas de seus tipos. Talvez por isso a descrição de sandbox seja tão vaga e tenha diversas interpretações possíveis. Games de corrida como The Crew e de tiro como Borderlands não fogem à definição de sandbox, apesar de pertencer a outros filões.

O sandbox revolucionário

Quase um sinônimo de sandbox, Grand Theft Auto é uma franquia que não se pode deixar de mencionar quando se fala do assunto. Carros, tiros, narrativa organizada em missões – no estilo das quests de RPGs – e o humor cáustico característico da série estão presentes desde o primeiro jogo, mas tudo foi elevado à potência máxima com a mudança de perspectiva da câmera e os gráficos tridimensionais de GTA III.

A partir daí, a fórmula de sucesso se consolidou e passou a influenciar não só jogos de sandbox como Saints Row e Assassin’s Creed, mas também séries de outros gêneros como Far Cry e Need For Speed. Mas apesar de ser o mais influente, GTA não foi, nem de longe, o primeiro sandbox da história. Vamos analisar as raízes da série para entender melhor a história do estilo.

Velozes e não tão furiosos

Jogos de corrida pressupõem bastante espaço para deslocamento. Apesar de o padrão ser de carros disputando em pistas, não demorou muito para que os desenvolvedores passassem a apostar em localidades mais amplas e menos restritivas. Um jogo que precedeu as inovações de GTA III foi Driver, lançado em 1999.

Em 1998, Body Harvest já contava com diversos carros à disposição e uma câmera posicionada atrás do jogador, além dos gráficos 3D, mesmo que sem muito polimento. O mapa dava liberdade de movimentos e permitia exploração. No começo da década de 90, Hunter oferecia múltiplos veículos e um mundo bastante expansivo que podia ser vasculhado, mas oferecia muitas limitações. Outro título bastante limitado, mas excepcionalmente à frente de seu tempo era Vette!, de 1989, um jogo de corrida situado em uma San Francisco aberta para que o jogador pudesse dirigir à vontade. Turbo Esprit, de 1986, mostrava o interior do veículo, tinha semáforos, pedestres e missões a ser cumpridas, além de uma cidade por onde dirigir para completar os objetivos, sendo um predecessor de vários recursos presentes nos jogos de mundo aberto.

elite 1984

Ao infinito e além

Antes que os carros fossem amplamente abordados nos games, uma febre imensa por jogos espaciais tomou conta do cenário da indústria, o que dava vasão a universos imensos e vazios, abrindo caminho para a exploração de áreas extensas com uma certa liberdade característica dos mundos abertos. Um bom exemplo disso foi Wing Commander, de 1986, já no final da era de ouro dos games focados no espaço sideral. Mas o ponto fundamental dessa vertente para o desenvolvimento do sandbox foi o fundamental Elite, lançado em 1984, com uma vastidão absurda a ser minuciosamente explorada, e que por um milagre da programação, cabia em uma fita cassete. Esse título influenciou diretamente não apenas os games de mundo aberto, mas também os MMORPGs que viriam a surgir em seguida.

Ação e aventura

No caldeirão de influências de onde saiu o conceito dos sandbox atuais, não podem faltar os games de ação e aventura. Uma tentativa bastante pretensiosa nesse sentido foi Shenmue, game que misturava ação e RPG, e ao qual muitos atribuem o nascimento dos jogos de mundo aberto. Além de inovar nesse sentido, ele se utilizava de quick time events em 1999, sendo que esse recurso vem sendo amplamente difundido hoje em dia, em jogos como Uncharted, Tomb Raider e The Order: 1886.

Assim como os RPGs, os sandbox beberam bastante da fonte de The Legend of Zelda. O primeiro lançamento da série, de 1986, já trazia uma espécie de mundo aberto, apesar da progressão extremamente linear, mas que dava uma certa liberdade e até incentivava a exploração. Essa se tornou uma marca da franquia, que até hoje é conhecida por suas dungeons e por ums Hyrule cada vez mais rica e ampla.

RPGs

Assim chegamos aos ancestrais mais primitivos – e já distantes – do sandbox. Os RPGs são quase tão antigos quanto os próprios videogames e passaram por uma infinidade de fases distintas. Uma das principais semelhanças entre role-playing games japoneses e ocidentais é justamente a exploração, elemento que une os dois polos distintos de desenvolvimento do estilo.

Ultima I: The First Age of Darkness, de 1981, ajudou a estabelecer muitos conceitos comuns aos RPGs, tanto ocidentais quanto japoneses. Apresentava gráficos simplistas, mas levou a exploração a outro nível. Tinha dungeons profundas, com visão em primeira pessoa, enquanto do lado de fora, no overworld, a câmera ficava sobre o protagonista. Muitos outros RPGs como mundos abertos precederam Ultima, como Akalabeth: World of Doom e Rogue, ambos de 1980 e o próprio dnd, de 1975, baseado em Dungeons and Dragons.

Qual é o primeiro, afinal?

O já citado problema de definição dos jogos de mundo aberto faz com que o título de primeiro sandbox fique em aberto, pois é complicado dizer o quão “aberto” um mundo precisa ser para que possamos definí-lo como tal. As limitações técnicas impediam a criação de um mapa realmente amplo e rico em detalhes para ser explorado.

Hoje a tecnologia permite mundos cada vez mais imersivos e com menos limites, onde a imaginação pode fluir com uma liberdade inimaginável em outras épocas. É por isso que cada vez mais os gêneros distintos tendem a conceder espaços significativos para os sandbox, que têm muito a oferecer e acrescentar em diversos games.