CBLoL 2015 – A super produção do LoL brasileiro.

cblol

Iniciado no dia 17 de Janeiro, o Circuito Brasileiro de League of Legends chegou mostrando toda a força do cenário e toda a vontade de seus produtores em alavancar o crescimento do e-sport no país. Produzido pela divisão brasileira da grande criadora do jogo, a Riot Games, o tão esperado campeonato nacional de 2015 tem padrões de qualidade dignos de eventos internacionais. Com um investimento imenso, foi montado um estúdio de altíssima qualidade dentro de uma emissora de televisão, foram contratados diversos especialistas em transmissões, implementaram técnicas de televisão, elevaram a qualidade do conteúdo passado ao espectador e superaram as expectativas dos fãs e entusiastas do e-sports.

Contando com uma equipe renomada de apresentadores, comentaristas e analistas, o CBLoL 2015 consolida a profissionalização do e-sports no Brasil, com um formato já utilizado em diversas regiões do mundo, o Circuito Brasileiro desse ano proporciona estabilidade para os jogadores, times e até para os espectadores. Com partidas presenciais e cumprindo um regime de datas e horários, os jogos são realizados, rigorosamente, todos os sábados e domingos entre os dias 17 de janeiro e 1 de março, sempre iniciando ás 14hrs. Tudo isso difere o cenário desse ano do cenário dos anos passados, onde a maioria dos jogos eram disputados online, tinham datas e horários flexíveis e instáveis devido a problemas técnicos, também eram poucos os eventos oficiais e produzidos pela própria Riot Brasil, sendo a maioria dos grandes eventos deixados nas mãos de produtoras independentes que, muitas vezes, não se preocupavam tanto com a qualidade do conteúdo que ia ser passado ao espectador e eram repletos de problemas simples que poderiam ser corrigidos com um pouco de planejamento.

Apesar de todo o avanço que essas mudanças de organização e produção trouxeram, o Brasil, só agora, conseguiu se aproximar das outras potências do League of Legends mundial. Países como Estados Unidos, Coréia do Sul e Alemanha já contavam há mais de dois anos com seus próprios estúdios de transmissão e de eventos presenciais, estúdios de altíssima qualidade que serviram de inspiração para o crescimento das demais regiões do mundo e, mostraram a grandeza do e-sports e todo o seu potencial. O Circuito Brasileiro, no cenário atual, pode ser considerado fruto do sucesso das ligas de outros países, se aproveitando das experiências da própria Riot ao redor do mundo para produzir um evento aos pés da paixão e entusiasmo da fanbase brasileira.

Em uma entrevista rápida com Philipe Monteiro, o PH Suman, gerente de eSports da Riot Games no Brasil, pude perguntar sobre a produção do CBLoL e sobre futuros planos para o cenário competitivo nacional e internacional:

“Bernardo: Você poderia falar uma pouco sobre a produção do CBLoL, como foi e como está sendo o processo por trás da produção? A ideia inicial era criar um estúdio próprio ou utilizar instalações existentes como as da X5?
PH Suman: O CBLoL, na forma que temos hoje, é resultado da evolução do nosso cenário. Todos os anos procuramos experimentar e acrescentar algo à competição, sempre ouvindo o que os jogadores e torcedores têm a dizer, e sabíamos que para evoluir da forma que pretendíamos, precisávamos trazer toda a produção mais para perto de nós.


B: Desde quando a liga está sendo planejada?
PH: Oficialmente iniciamos o planejamento deste ano em setembro de 2014, mas, na prática, estamos planejando desde 2012, quando a Riot organizou o primeiro torneio oficial no Brasil. Tudo que fizemos até hoje foi com a intenção de chegar até aqui, assim como o que temos hoje é só um passo para o que pretendemos ter nos próximos anos.

B: Existe interesse/É um objetivo de, futuramente, ter platéia no estúdio?
PH: A logística envolvida em abrir o estúdio para o público é muito semelhante à de um evento; ainda que a escala seja bem menor a complexidade da operação e o cuidado que precisamos ter são praticamente os mesmos. Vontade de ter plateia nós temos, sem dúvida, mas existem muitos pontos que ainda precisam ser discutidos para saber se e quando conseguiremos viabilizar.
B: Algum plano de integração com o cenário latino-americano? Como amistosos “panamericanos”, no caso.
PH: Em 2013 sediamos o Desafio Internacional, que, além do Brasil, contou com equipes vindas de quatro outros países da América Latina. No momento não existe nenhum plano, mas eu não descartaria totalmente algo seguindo essa linha no futuro. “

Outro marco de todo o esforço, paixão, investimento e fé que a Riot está depositando no cenário brasileiro é a realização da final da segunda etapa do CBLoL 2015 em um palco de proporções inimagináveis para “um simples jogo online no Brasil”. Com um teor de “competição” ao local da final do Mundial de 2014, que foi realizado na Coréia do Sul e teve como palco o Estádio Sangam, também palco de jogos da Copa do Mundo FIFA de 2002, foi decidido que o palco da final do maior torneio de League of Legends do Brasil, país do futebol, não poderia ser nada menos que um estádio de futebol. Foi escolhida a novíssima arena e casa de um dos maiores clubes de nosso país, a Sociedade Esportiva Palmeiras, o recém-construído Allianz Parque. Isso mostra a força que, não só o League of Legends, mas que todo o e-sport tem e pode ter em nosso país.