Dragon Age 2 – Um jogo sobre política

dragon age 2

Jogos deveriam ser uma ferramenta para relaxar e divertir, e embora já seja comum relatos de jogadores que obtiveram exatamente o resultado oposto com problemas de lag ou bugs, recentemente encontrei outro empecilho que de certa forma atrapalhou minha busca por diversão. Estou me referindo ao quanto suas decisões influenciam no decorrer do jogo Dragon Age 2, e outros RPGs ocidentais, e o quão diplomata você deve ser com TODOS á sua volta.

Para aqueles não familiarizados com o enredo de DA2, o jogo narra a trajetória de Hawke, que fugiu de sua terra natal com a família para sobreviver ao ataque de criaturas, conhecidas como Darkspawn, e tentar recomeçar do zero na cidade de Kirkwall. Nos primeiros 30 minutos de jogo você já perde um membro da sua família e fica bem claro que o restante do jogo será tão tenso e infeliz para o seu personagem quanto o prólogo já foi.

Começa então uma saga politica de fazer quests, resolver os problemas do outros e as tão agonizantes escolhas de enredo, o problema aqui está em suas decisões influenciarem diretamente no rumo que o jogo irá tomar e na vida daqueles ao seu redor.

Deves estar pensando que é ótimo poder escolher tão livremente a trajetória de um jogo, mas não, não é. Conhece a frase “grandes poderes trazem grandes responsabilidades”? Pois é exatamente isso que ocorre aqui, esse “poder” de ditar o rumo da história acaba se tornando um verdadeiro peso, e caso você já não se sinta mal o bastante com isso, os NPCs ao seu redor fazem questão de jogar na sua cara todo erro cometido. Chega a um ponto ridículo em que grandes figurões da cidade pedem sua opinião em certos assuntos políticos, como se você soubesse mais do assunto do que os conselheiros experientes deles.

Muitas serão as vezes onde você irá se encontrar em uma situação em que poupar a vida de um inimigo pode resultar nele retornando para lhe causar problemas mais tarde, ou, se optar acabar com a vida dele, ganhar alguns pontos de rivalidade com seus companheiros.

E os seus companheiros são a cereja do bolo no monte de decisões que é Dragon Age 2.

Não se iluda de que você precisará usar de toda sua habilidade tática somente para as batalhas, é extremamente importante escolher quais membros farão parte do seu grupo tendo em vista a visão politica deles e a situação a ser enfrentada. E tenha em vista que ganhar a aprovação deles é fundamental, pois é sempre possível que algum deles te “apunhale pelas costas” nas horas de maior necessidade. Até gosto deles terem personalidades opostas e ideias diferentes, mas você sempre acaba no fogo cruzado tendo de escolher um lado na disputa e depois tendo de correr atrás do amigo que você decepcionou para que ele não te odeie (muito).

Isso acaba por tornar o jogo em uma diplomacia sem fim em que você precisa ponderar qual resposta agradará personagem X e rezar para que isso não ofenda seus outros dois companheiros, junte isso ao jogo de politica à la Game of Thrones e você se encontrará resolvendo e criando problemas com mais frequência do que adentrando dungeons.

Ao meu ver seria bem melhor o jogo permitir uma forma de reverter a última decisão feita, pois as escolhas importantes para o enredo acabam brotando nas horas mais inusitadas. Você é praticamente obrigado a realizar um save novo a cada dois passos dados, e muitas das vezes é questão de segundos para que você se arrependa de uma decisão tomada.