FANático #2 – Pokémon Light Platinum (GBA)

Após um hiato da segunda coluna mais badalada do blog (perdendo apenas para os Quick Look), eis que o título apresentado não poderia ter sido escolhido numa hora melhor, após o lançamento de novas informações sobre Pokémon Sun e Pokémon Moon.

O título em questão é uma rom hack desenvolvida para o Gameboy Advance, chamada Pokémon Light Platinum. Pokémon Platinum que foi originalmente lançado para o Nintendo DS, pertencendo a quarta geração dos monstrinhos de bolso mais famosos dos games e serviu de base para a criação de Pokémon LP, já que o mesmo traz de forma muito bem feita os monstros dessa gen para o GBA.

Em termos de jogabilidade, Pokémon LP muda certos pontos do que visto em Ruby/Sapphire/Emerald, mesmo que sua engine base usada seja a mesma desses 3 jogos. Porém, a rom hack se destaca não somente pela adição de novos Pokémon em sprites extremamente bem feitas, mas também na adição de novos ataques e novos terrenos a serem explorados, como o já conhecido surf e a capacidade de voar livremente em certas áreas em cima de um Skarmory.

Entretanto, a curva de dificuldade pode ser um ponto extremamente negativo para marinheiros de primeira viagem e jogadores mais casuais, principalmente se o jogador não começar com um inicial de fogo (Nota do editor: isso não é puxa-saquismo, eu juro!). É bastante difícil treinar na grama por conta da pouca XP obtida nas batalhas, e muitas vezes o jogador pode se vir em uma situação onde seu level atual não é favorável contra líderes de ginásio.

Apesar de batalhas contra treinadores normais poderem ser um passeio no parque em certos momentos, alguns trazem algumas ‘surpresas’, como Pokémon que estão 5 ou 10 níveis acima do esperado. Outro fator que pode desestimular é o fato de que líderes de ginásio e a Elite Four são de um nível completamente acima do que visto nos últimos jogos, tendo a E4 Pokémon na casa do level 70.

Na questão do enredo, LP se destaca pela sua criatividade e sua história original. O jogador começa sonhando com uma batalha entre Arceus, Palkia e Dialga, sem saber o porque daquilo estar acontecendo. Eventos futuros mostram que a resposta para essa pergunta está em glifos espalhados pelo mundo todo contendo informações sobre a criação da humanidade.

Como todo bom jogo de Pokémon, esse universo também conta com uma organização maligna que tenta a dominação mundial ao tentar controlar tais Pokémon lendários, e seu nome é Team Steam.

Outro fator extremamente divertido é a aparição de Red, Gold, Yellow, Silver e vários outros protagonistas e antagonistas que estão visitando a região de Zhery, local onde o jogo se passa. Existe também uma liga especial chamada World League, que só pode ser acessada após vencer a E4 original, onde se encontram os treinadores mais fortes do jogo, tendo seu campeão ninguém menos que Ash Ketchum.

Mesmo com tudo isso apresentado, além de cenários bastante diversificados como cidades em desertos, montanhas de gelo e cavernas com vulcões, não se pode esquecer que o jogo se trata de uma rom hack. Bugs são encontrados ao longo de sua jornada, principalmente atrapalhando o andamento do jogo em certas situações – situações essas que podem forçar o jogador a ter que começar tudo de novo.

Com a possibilidade capturar-se todos os pokémon de todas as gerações apresentadas numa única run – evoluindo por level e trocando com próprios NPCs -, seria injusto avaliar um trabalho feito por apenas uma pessoa que fez o possível para trazer uma experiência totalmente nova para o GBA baseando-se nos bugs, mesmo que esses sejam bem perceptíveis. Pokémon Light Platinum ainda sim merece destaque por sua audácia e grandeza de conteúdo e que com certeza fará com que cada jogador sinta a mesma sensação de jogar um título novo lançado pela própria Nintendo.

About Kaio Rodrigues

Único sobrevivente dessa página maravilhosa chamada PlayerTwo.com.br, junto com o fundador. Amante de jogos independentes de fan-made, passo parte do meu tempo sonhando em um dia ser jornalista de games.