Geração Netflix: como as séries televisivas estão influenciando os games

quantum break

Experiências transmidiáticas estão no cerne do entretenimento no século XXI e parecem estar se transformando em palavras de ordem nos estúdios de desenvolvimento de games. Uma interação interessante que vem ganhando corpo é a relação com os seriados de televisão, especialmente na estrutura da narrativa dos jogos.

Nesse sentido, quatro exemplos recentes saltam aos olhos, cada um se utilizando de um modelo completamente distinto. Quantum Break, confeccionado pela Remedy, de Max Payne e Alan Wake – jogos que já tinham uma aproximação com a estrutura episódica na narrativa -, se complementa integralmente com um seriado próprio, com atores de carne e osso e alternando momentos de jogatina com capítulos do seriado que apresentam alterações no enredo dependendo das escolhas do jogador.

Outro lançamento de 2016 que inovou no formato de contar sua história é Hitman. O jogo sobre o assassino de aluguel com um código de barras estampado em sua careca está sendo lançado aos poucos no decorrer do ano. Cada episódio é vendido separadamente e constitui uma missão independente e parte da história. Quem não quiser entrar na dança terá de esperar pelo fim e comprar o “seriado” completo, previsto para sair no início de 2017.

Outra abordagem diferentona das séries de TV pelos games repousa em Metal Gear Solid V: The Phantom Pain. Após dividir opiniões com as longas cutscenes de Guns of The Patriots, Hideo Kojima encanta com as cenas em um take em seu game novo e conta a história por meio de episódios, sendo que o próprio jogo é dividido em duas temporadas e tem até trailer in-game entre uma e outra. Os créditos da equipe são exibidos a cada missão, e a estrutura narrativa se baseia nesse ritmo fragmentado para avançar.

Levando a ideia de transformar a história a partir das decisões de quem segura o controle a outro patamar, Until Dawn se utiliza de elementos dos filmes de suspense e terror para criar uma trama que beira o clichê, mas é muito bem elaborada e costurada por capítulos. Ao final, depende da perspicácia do jogador quantos e quais personagens sobreviverão até o amanhecer.

Esses são apenas alguns exemplos de como a geração da TV sob demanda e os seriados estão influenciando os games como mídia e como forma de contar histórias.