InFAMOUS Second Son: a verdadeira nova geração?

infamous second son

Venho abordando a questão da nova geração bem intensamente nos últimos posts. O PlayerTwo já falou bastante sobre prós e contras dos consoles novos e especulou incessantemente a respeito do futuro próximo. Agora é uma boa hora para fazer uma análise fria com os pés no chão sobre tudo isso.

Este humilde blogueiro que vos escreve está jogando InFAMOUS Second Son e pode afirmar com propriedade: ainda não chegamos na nova geração. Que fique claro que isso não é um review. O jogo é incrível, estou viciado e parei de jogar por vinte minutinhos para escrever.

No entanto, tenho que dizer que, por melhor que seja, o game não chega perto de alcançar o cerne da geração. É claro que os gráficos são extremamente bonitos, os efeitos surpreendem e a localização para o público brasileiro foi muito bem feita, mas a questão é que nada disso parece destoar muito do que os consoles antigos faziam.

Outros jogos como Titanfall e Ryse também apelam para a capacidade gráfica, mas se esquecem de que a transição para uma nova geração depende de muito mais do que isso. Eu me lembro de quando joguei The Legend of Zelda: Twilight Princess pela primeira vez no Wii e tive a clara sensação de que nada daquilo poderia existir em um console anterior. Vale lembrar que esse game também foi lançado para o GameCube, então eu não me refiro aos gráficos, definitivamente.

A maior parte dos jogos bons da nova geração também estão disponíveis para a antecessora. Tomb Raider, Thief, Metal Gear Solid V: Ground Zeroes, Assassin’s Creed IV: Black Flag, além do esperado Watch Dogs, que deve sair mês que vem. Todos esses têm versões para PS3 e X360.

A nova geração ainda não caminha com as próprias pernas, mesmo que o PS4 e o XbOne tenham vendido, juntos, mais de 12 milhões de unidades. Isso não quer dizer que ela não possa nos surpreender positivamente, e muito. Quando será que ela vai começar para valer?