Lançamentos da semana Fallout 4 e Tomb Raider dizem muito sobre a indústria de games

Lancamentos da semana 09 11 2015

Nesta terça-feira (10), dois dos jogos mais esperados do ano ganham as prateleiras físicas e virtuais. A nova aventura de Lara Croft, Rise of the Tomb Raider, surge como um exclusivo temporário de peso para o Xbox One, enquanto a Bethesda mostra todo seu poder de fogo em Fallout 4, o game mais expansivo e ambicioso da franquia de RPG de ação pós-apocalíptica.

De certa forma, apesar de não terem relação nenhuma entre si aparentemente, ambos os lançamentos dizem muito sobre o momento atual dos jogos AAA. Tanto um quanto o outro são, ao mesmo tempo, modernos e tradicionais em aspectos diferentes.

Se por um lado, Fallout 4 é um game “à moda antiga” no que diz respeito à jogabilidade crua que te deixa no controle o tempo inteiro, por outro ele segue as tendências dos últimos anos em relação ao mapa, uma tradição da Bethesda: mundos abertos gigantescos cheios de coisas para serem feitas, histórias para serem descobertas e lugares para serem explorados.

Já Rise of the Tomb Raider, que é um jogo moderno no sentido de oferecer uma experiência cinematográfica que pode até ser exagerada em alguns momentos, torna-se um game também “à moda antiga” da sua maneira por oferecer uma linearidade que, apesar de flexível em alguns pontos, demonstra-se bastante rígida em comparação à maioria dos títulos AAA lançados atualmente.

Basta um exercício de memória para relembrar diversos lançamentos de 2015 com elementos sandbox: Assassin’s Creed Syndicate, The Witcher 3, Batman Arkham Knight, Metal Gear Solid V: The Phantom Pain, Just Cause 3, entre muitos outros. Por outro lado, temos grandes jogos lineares à vista, como The Order 1886, Until Dawn, Uncharted 4: A Thief’s End.

Em tempos assim, os novos Fallout e Tomb Raider explicitam duas vertentes diferentes dos games atuais: o linear cinematográfico e o mundo aberto recheado de missões.

Ambos os formatos são bem sucedidos como experiências imersivas, apesar de dividirem opiniões. Tivemos nos últimos anos excelentes exemplos dos dois lados, e até uma série que virou a casaca e foi do linear para o aberto: Arkham. No entanto, é bom perceber que tanto um como outro são gêneros híbridos que se aproveitam de elementos de diversos estilos para compor suas mecânicas.

No fim das contas, o que podemos perceber com os grandes lançamentos desse período que os games estão ficando cada vez mais complexos e dinâmicos, e menos engessados e estanques, o que é muito bom.