Playstation Plus chega a 7,9 milhões de assinantes pior do que nunca

playstation plus

A Playstation Plus chegou à marca de 7,9 milhões de assinantes e, com a obrigatoriedade da assinatura do serviço para jogar multiplayer online no Playstation 4, esse número deve crescer arrebatadoramente nos próximos anos. No entanto, esse êxito levanta um novo debate: a qualidade do serviço vai se manter igual?

Os usuários da Plus no PS3 não têm do que reclamar. Desde 2010 na ativa, ela já entregou uma coleção enorme de jogos de qualidade para os donos do sistema que optaram por pagar a assinatura, provavelmente porque eles não teriam nenhuma outra vantagem em ter a Plus a não ser os descontos e a Instant Game Collection.

Com o PS4, a situação vem se desenhando de maneira diferente. Se você quiser jogar online com seus amigos – ou com pessoas aleatórias – é imperativo ter uma conta paga na PSN, então agora as pessoas têm um motivo mais forte para ser usuário Plus.

Com isso, a Sony não tem mais a necessidade de oferecer um serviço de tanta qualidade como no console anterior, já que o multiplayer é uma razão muito forte para se tornar membro premium.

O problema é que a Sony realmente percebeu que cobrando pelas jogatinas online, os consumidores se sentem obrigados a assinar a Plus independentemente dos jogos disponibilizados.

A cada mês a situação se repete: os donos de PS3 ganham um jogo AAA enquanto os gamers do PS4 têm de se resignar com um punhado de títulos indies que raramente têm algum valor – com exceção de alguns excelentes como Fez, Towerfall: Ascension, Don’t Starve e Trine 2. Apesar das reclamações frequentes nos canais de comunicação da Sony, a empresa não parece muito sensibilizada com os clientes e vai manter essa política no mês de novembro.

Outro caso ocorrido recentemente é o do Driveclub, que foi prometido para outubro em uma versão gratuita e reduzida exclusiva para a PS Plus, mas que foi adiada indefinidamente devido a problemas técnicos e não parece dar sinais de que esteja perto de ser efetivamente lançada. A certeza de que os jogadores mais hardcore precisam pagar de um jeito ou de outro por causa do multiplayer online vem acomodando a Sony, dando a sensação de que ela não precisa se empenhar no serviço pois ele é necessário aos consumidores.

É claro que o Playstation 4 ainda é jovem, tem menos de um ano, e não deve ser fácil dar de bandeja jogos como InFamous: Second Son, The Last of Us Remastered, Killzone: Shadow Fall ou Knack sendo que eles foram lançados apenas há alguns meses. Essa é a única razão aceitável para que o nível dos games gratuitos esteja tão baixo.

Daqui a alguns meses saberemos se a Sony pretende manter essa estirpe de jogos oferecidos ou se vai fazer jus ao que promete com uma salgada assinatura de R$99 anuais.