O que pode ser da próxima geração?

Protótipo real da Microsoft

O mundo não acabou e passada essa preocupação uma dúvida ronda a mente dos gamers: como será a nova geração? Rumores surgem ao longo dos dias e cada vez mais informações são coletadas sobre os supostos lançamentos desse tipo de mercado. Sony e Microsoft se preparam para mais uma vez travarem a guerra para decidir “qual será o console mais popular”. Vejamos como as empresas estão se “armando” para o novo combate da década!

Nota: esse tópico trata de maneira mais centrada aos rumores do novos Playstation e Xbox. A Nintendo não ficou de lado, mas o lançamento do Wii U é, considerado por muitos, ainda dessa geração. Mas isso não significa que todas as empresas não serão concorrentes diretas.

Sony e seu novo PS4

A gigante do mercado não anda bem das pernas nos últimos tempos. Desde o lançamento do PS3, a empresa vem tendo certos prejuízos no setor de games, algo que estamos vendo também com o Playstation Vita. De qualquer maneira, o tempo não para, e ela vem se preparando fortemente para a nova geração. Com uma campanha de marketing que instiga os gamers, talvez possamos ver o anúncio oficial do seu novo console dia 20 desse mês. Pra quem não sabe do que estou falando, assistam a esse teaser. Voltando para os rumores, o que podemos esperar do “Orbis”, o codinome do Playstation 4:

  • Um novo controle, que poderá contar com algum tipo de tecnologia que utilize touchscreen
  • Memória: 8GB
  • Vídeo: algo equivalente a uma Radeon 7670
  • Processador: 4x Dual-Core AMD64 “Bulldozer” (so. 8x cores)
  • Portas: 4x USB 3.0, 2X Ethernet
  • Drive: Blu-Ray
  • HDD: 160 GB
  • Audio Output: HDMI & Optical, 2.0, 5.1 & 7.1 canais
  • Um nova tecnologia de sensor de movimentos (?) que utilizará duas câmeras, provavelmente pra concorrer com o Kinect
  • Tecnologia contra jogos usados

Microsoft e seu Xbox 720

Parece que Bill Gates entrou mesmo no ramo dos games e quer participar dessa brincadeira de igual para igual. O Xbox 360 foi um grande console, tanto na parte de desenvolvimento de jogos quanto aos seus exclusivos, e provavelmente veremos outro promissor lançamento daquela que domina a maioria de Pc’s da atualidade. Sem mais delongas, eis o que temos até agora sobre o “Durango”, codinome do Xbox 720:

  • Memória: 8GB
  • Vídeo: algo equivalente a uma Radeon 6670
  • Leitor de Blu-Ray
  • Processador: com o codinome “Oban” usará a tecnologia APU – desenvolvida pela AMD – que integra o processador com a placa gráfica
  • Kinect 2
  • Necessidade de conexão com internet para seu uso (algo que pode assinar a sentença de morte antes de seu lançamento)
  • Tecnologia contra jogos usados

E a Nintendo?

O lançamento do Wii U mostra mais uma vez que a Big N não se interessa em ter o console mais poderoso do mercado, algo que vimos com o Wii. Mas dessa vez ela resolveu não ficar tão atrás e aos poucos o verdadeiro – e grande – poder do Wii U vai se mostrando. Apesar de ser taxado como um console dessa geração, ele concorrerá diretamente com a Sony e com a Microsoft no futuro, e se o resultado for o mesmo da geração passada a Nintendo mais uma vez cairá em gargalhadas, depois do Nintendo Wii ter vendido aproximadamente 30% a mais que o Playstation 3 e que o Xbox 360.

Bem, já vimos o que podemos esperar na próxima batalha de consoles: poder bruto. Gráficos ultra realistas, um centro de multimídia extremamente completo, uma penca de aplicativos que associarão suas contas dos serviços online com Twitter, Facebook, Instagram, email etc. Mas o que me preocupa mesmo são dois fatores: como as desenvolvedoras tirarão proveito disso e o fato das empresas serem contra o mercado de jogos usados.

Do primeiro fato, os consoles já mostraram do que são capazes com jogos como Skyrim, Uncharted, Gears of War, Halo… só que parece que falta um pouco mais de “coragem” por parte dessas grandes empresas. Por exemplo: no PS1 tivemos Megaman X4, X5 e X6 – pra mim os melhores da série -. Agora imaginemos um Megaman, ou até mesmo um Castlevania no estilo Old-School, em HD rodando direto do seu video game, e não estou dizendo de jogos exclusivos de serviços como Playstation Network e Xbox Live Arcade, e sim sendo gravados em blurays/dvds com capas, manuais e tudo mais que um jogo tem direito. E antes que digam que seria um desperdício de mídia gravar um jogo que seria relativamente pequeno, saibam que o grande sucesso Marvel Vs Capcom 3 ocupa por volta de 3GB de disco. Ou seja, ainda sobram 22GB do seu blu-ray.

Em relação ao segundo fator, o primeiro de longe parece ser um problema. Acabar com o mercado de jogos usados é praticamente dar um tiro no pé e a repercussão em vista disso está claramente negativa. Colocando isso em valores, a GameStop – maior rede de games dos EUA – teve uma queda de 6,8% em suas ações após essa notícia começar a circular; não bastasse isso, 28% de seu mercado gira em torno do comércio de jogos usados.

2013 realmente será um ano de surpresas, e quem ganhará com isso certamente seremos nós. Agora, acabar com jogos usados realmente é uma solução? Então quer dizer que se meu console for roubado eu posso pegar a mídia e jogar fora, já que mesmo que eu compre outro ela não irá prestar. Se bem que as empresas já andaram testando esse tipo de coisa nos jogadores, mas de maneira mais discreta: a venda dos online pass. Pra quem não sabe o que são, cada cópia de certos jogos vinham com um serial para que fosse feita a ativação do recurso multiplayer online. Quem comprou jogos assim usados e que quiseram jogar online, tiveram que pagar um valor simbólico nesse passe, algo entre 10 e 15 dólares. Agora, Xbox 720 precisando de internet pra funcionar? Sério, Microsoft? Bem, não vou nem comentar. Vai que é doença.

Bonus Time

O mais legal de estar a um passo de seus respectivos lançamentos, é ver concept arts dos consoles e seus controles que vem pipocando internet a fora, feitas, claro, por seus fãs. Confiram agora algumas que são geniais e outras que são, no mínimo, bizarras:

About Kaio Rodrigues

Único sobrevivente dessa página maravilhosa chamada PlayerTwo.com.br, junto com o fundador. Amante de jogos independentes de fan-made, passo parte do meu tempo sonhando em um dia ser jornalista de games.