Review – Terraria (PC)

Minecraft certamente abriu novas portas para o mundo dos games, mostrando uma alternativa à infinidade de shooters que são lançados hoje em dia. Chegou de mansinho, na fase alpha, e antes mesmo de seu lançamento completo, explodiu, cravando a marca de 3 milhões de cópias vendidas.

Essa explosão deixou um rastro incrível chamado Terraria, o jogo mais vendido no Steam logo em sua primeira semana disponível na loja virtual. Diferente das cópias de Minecraft que apareciam a torto e a direito pela internet, os produtores do game procuraram pontos para melhorar e inovar.

Terraria
Desenvolvedora: Re-Logic
Publisher: Re-Logic
Plataforma: PC (Windows)

O mais notável deles, à primeira vista, é a aparência, que rendeu ao título a fama de “Castlevania sandbox”. A equipe resolveu sacrificar um pouco do poder de construção de monumentos e mudou a visão do jogo para um 2D sidescroll, bem característico da franquia de vampiros.

A visão em terceira pessoa, no entanto, enfatizou consideravelmente o quesito aventura. Poder olhar o personagem a distância e ver com clareza o que vem pela frente e o que acontece atrás ao adentrar em cavernas dá uma certa segurança ao jogador, suficiente para dar mais de dez passos sem medo de algum monstro explodir nas costas, ou, no caso de Terraria, uma minhoca gigante surgir de alguma direção qualquer.

Quem ainda não se sente seguro, ou tem um protagonista claustrofóbico, pode testar os outros vários biomas que o jogo apresenta. São doze no total, sete deles acima da terra e os outros cinco abaixo, e cada um com um nível de dificuldade específico.

Ambientes distintos trazem novos monstros, itens exclusivos, mais ervas para preparar poções e papéis de parede diferentes. Alguns lugares são bem tranquilos de acessar e sobreviver, mas o Underworld e a Dungeon, por exemplo, são incrivelmente desafiadores, mesmo para quem já está avançado no game.

Este último, inclusive, é protegido pelo chefão mais difícil do jogo, um velhinho que se transforma em um esqueleto enorme. Perto dele, os outros dois chefes são brinquedos, mas há uma alternativa muito boa para derrotá-lo: o multiplayer, a melhor parte de Terraria.

É bem legal explorar o mundo e conseguir se virar sozinho, mas dividir o tempo de jogo com um ou mais amigos é muito mais divertido. Mesmo com mais inimigos aparecendo, as tarefas, como defender a região, mineirar e caçar baús, podem ser divididas entre os jogadores.

Isso torna a evolução de personagens muito mais rápida, facilitando a entrada em biomas mais complicados. Conforme todos vão evoluindo, os jogadores podem começar a explorar o sistema de classes, determinado pela sua armadura.

Algumas armaduras aumentam o ataque com espadas, enquanto outros tratam de melhorar o poder das magias lançadas pelos jogadores. Há um número enorme de armas no game, incluindo espadas, boomerangs, lanças, armas de fogo e até sabres de luz, então é só escolher o equipamento que mais agrada e sair matando monstros.

Após um bom tempo, quando todos estiverem armados e equipados, o modo PvP pode ser acionado a qualquer momento para disputas entre os jogadores. A comunidade de Terraria disponibiliza pelo fórum oficial muitos mapas com construções especiais para PvPs, cada um com uma característica que melhora a disputa entre os personagens.

Chegar a esse ponto parece ser o final de tudo, mas é difícil sandboxes apresentarem algum. A maioria deles, incluindo Terraria, recebem atualizações esporádicas, aumentando o número de itens, monstros e aventuras. O tempo de vida do título também cresce, e o que já tinha horas e horas de diversão para todos os tipos de jogadores fica ainda maior.

VEREDITO FINAL: Nota 8.5

Sem dúvidas o conjunto acaba valendo muito mais do que os dez dólares pelos quais é vendido no Steam, devido a incrível variedade e diversão, com um jogador ou em vários. Uma obrigação para aqueles que não saem do Minecraft e curtem uma boa ação.

About Luigi Olivieri

Membro fundador dessa página maravilhosa que chamamos de PlayerTwo.com.br. Mestre pokémon, fã de rogue-likes e tuiteiro de plantão.

  • Pingback: Steam comemora o Halloween do seu jeito - PLAYER TWO()

  • Pingback: Tiago Santana()

  • Pingback: Luigi T. Olivieri()

  • Olha eu ali com a (imitação da) kokiri tunic e um aquário na cabeça!!11!1! xD

    Anyway, garanto pra vocês, que o jogo lhe dará horas e horas de diversão. 😀
    Só ainda não testei o PvP, mas deve ser divertido com várias pessoas. Com o update que colocou as poções, a exploração até ficou um pouco mais fácil, mas eles equilibraram e deixaram o underworld beeeem chato, até quando você já está com a molten armor (armadura mais poderosa do jogo). Já a Dungeon não, ela só têm o boss chato pra entrar, depois fica mais fácil.

  • Pingback: Luigi T. Olivieri()

  • Pingback: Luigi T. Olivieri()

  • Pingback: Player Two()