Novos jogos e Playstation Plus são destaque da Sony na gamescom

Qualquer um que tenha acompanhado a E3 desse ano pode perceber que o evento foi horrível no quesito conferências. As expectativas de todos estavam lá no alto, e conforme passavam, cada uma das três donas de console foram tratando de jogar isso no chão.

Depois de dois meses de evento, com o início da gamescom, a Sony tinha a obrigação de se redimir com o público, e até que conseguiu. O conjunto de pré-apresentação e apresentação no evento trouxe diversas novidades, desde novos jogos de Vita e PS3 até atualizações na PS+ e sua migração para o novo portátil.

Começando por esse assunto mesmo, os assinantes da Playstation Plus poderão guardar até 1GB na nuvem até a virada do ano, contra os 150MB de hoje. Por enquanto só donos de PS3 podem aproveitar isso, mas a Sony confirmou que em breve o serviço deve chegar ao Vita, custando 50 euros por ano.

O portátil ainda vai receber uma atualização de software no final de agosto que trará uma porrada de coisas, inclusive jogos de PSOne, descritas aqui. Ainda falando de coisas extra-games, a empresa anunciou o Playstation Mobile , o equivalente da App Store para mobiles, tablets e Vita.

Agora sim podemos chegar na parte dos jogos, e só de novos títulos foram cinco: Killzone: Mercenary, Tearaway, Until Dawn, Rain e Puppeteer. O primeiro já é bem conhecido, mas agora o jogador vai lutar junto com os Helghast como um mercenário, podendo fazer qualquer coisa para completar contratos e vai ser exclusivo para o Vita.

Tearaway é o novo game da Media Molecule para o portátil, que conta a história do menino de papel Iota enquanto ele tenta mandar uma mensagem ao mundo real. Assim como LBP, esse título também é de plataforma, mas é bem mais voltado a interação (tela de toque, microfone) e realidade aumentada.

Deixando de lado o portátil, Until Dawn é uma boa promessa para quem gosta de jogos de terror, já que reúne a trajetória de sete personagens diferentes que tentam sobreviver contra um mau misterioso. As decisões do player influenciam o final do game, e para melhorar ele usa o Move como controle.

Os últimos dois vem do estúdio japonês da Sony, e prometem bastante na parte criativa. Enquanto Rain mostra um menino invisível que “ganha vida” pelas chuvas do planeta, Puppeteer explora mais uma aventura de outro garoto que foi transformado em uma marionete.

É bem difícil perceber o potencial apenas com essas descrições toscas, mas os vídeos logo abaixo ajudam bastante a ver isso. Uma pena não termos datas de lançamento para cada um.

About Luigi Olivieri

Membro fundador dessa página maravilhosa que chamamos de PlayerTwo.com.br. Mestre pokémon, fã de rogue-likes e tuiteiro de plantão.